quinta-feira, 30 de junho de 2011

Escambo 43

Já saiu! Eryca, de São Paulo, levou nosso Escambo.
Menina, você está muito rápida.
Que bom você gostar tanto de ler...
Gostar tanto de nosso Vale do Paraíba.

O livro segue viagem até você.
Paz e bem!
Sônia Gabriel

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Coluna Crônica Jornal de Caçapava: Ensinar e aprender.


(Jornal de Caçapava, 24 de junho de 2011.)


Sempre me perguntam por que ainda dou aulas. Fico imaginando se médico, engenheiro, administrador, padre, também escutam essa pergunta. A profissão de professor está tão desvalorizada pela sociedade que acham absurdo alguém amar o que faz. Pela enésima vez, respondo: “Não paro porque amo minha profissão”.
Já escutei de tudo dos ditos intelectuais, desde que estou perdendo meu tempo como que estou jogando pérolas aos porcos. Porcos? Bem, eu trabalho com pessoas.
Do cansaço de tanto escutar atrocidades é que estou escrevendo sobre meu trabalho.
Primeiro, o descaso com que a sociedade trata a profissão docente é proposital, quem pode imaginar uma sociedade plenamente educada, consciente de seus deveres e direitos, articulada em suas tomadas de decisões, confiante em sua visão, sem necessitar dos formadores de opinião da mídia e do poder? Já imaginaram um país inteiro de eleitores com formação educacional profunda, consistente e crítica?
Claro que não! A quem interessa tanto?
Minha profissão é parte importante de minha vida, não que eu a considere apostólica e redentora de todos os males sociais, a mãe de todas as profissões, na verdade nunca gostei dessas declarações. Minha profissão é importante, pois permite que as pessoas cresçam, realizem sonhos, tenham ferramentas para lutarem por suas vidas com dignidade.
Ser professora me faz feliz, pois me possibilita um aprendizado constante, a energia dos que aprendem e crescem alimenta a minha busca pessoal pela sabedoria. Sou plenamente consciente de que, só, não conseguirei mudar nada, reflito sempre sobre as dificuldades de meu trabalho e a falta de valorização do poder público, questiono os professores que caem na profissão, que fazem dela um bico, e não têm o menor respeito pelo ser humano. Sei dos descasos de muitos alunos, dos pais que pouco se interessam por seus filhos, dos colegas que não fazem e não permitem que façamos nosso trabalho da melhor forma possível.
Não sou uma idealista, não viajo no surrealismo de ser resposta de tudo.
Faço meu trabalho da maneira mais profissional possível e busco formas de ser valorizada em minha profissão e nos caminhos que construo para minha sobrevivência. Não tem sido possível sobreviver dignamente só dando aulas na rede pública.
Mas, não aceito e nem admito críticas infundadas de quem nunca trabalhou em uma sala de aula, teorias e práticas impostas por doutores em tudo, menos em sala de aula. É bem verdade que a culpa é da categoria. Se ela não se expõe, não debate, deixa espaço para todos que acham que entendem de Educação. Resultou no que está diante de nossos olhos.
Com longa experiência nas redes privada e pública, não desanimo de meu trabalho, sei da importância que ele tem de ser um elo na formação de um ser que vai poder construir uma vida digna, crescer intelectualmente e participar da sociedade de forma produtiva e positiva; para mim, é uma grande honra.
Precisamos, nós professores, tomarmos conta de nossa profissão. Termos um discurso coerente com nossa prática profissional e nos colocarmos com dignidade frente a essa avalanche de desrespeito e desmerecimento, venham de onde vierem.

Sônia Gabriel

terça-feira, 28 de junho de 2011

Escambo 42

Também estou rápida, hein!
Povo que gosta de ler, este livro de poesias foi doação da Pércila Márcia.
Muito bacana. São poesias feitas por alunos do Ensino Fundamental.
Quem leva nosso novo Escambo?

Aguardo...
Sônia Gabriel

Escambo 41

Já saiu, quem levou foi a Gabriele Melo. Garota rápida. A entrega será breve, também.
Paz e bem!
Sônia Gabriel

Mistérios do Vale: histórias que o povo conta... na E E Dr. Rui Rodrigues Dória, 28/06/2011.


Hoje,28 de junho, a convite da Professora Amparo, continuou o bate-papo sobre as lendas do Vale do Paraíba,  desta vez com as turmas de 7ºs anos, na escola Rui Dória. A professora está trabalhando Literatura de Cordel com seus alunos e eles vão ampliar o trabalho com as lendas do Vale. A participação dos alunos e o acesso aos livros deve-se ao apoio do ProAc - 13 e do Instituto Ecocultura.
Mais uma tarde muito proveitosa e agradável. Quero muito acompanhar estes Cordéis, imagino o quanto serão especiais.












Obrigada, me sinto muito honrada por gostarem de meu trabalho.
Paz e bem!
Sônia Gabriel

1ª Feira Literária Infantil de Taubaté



Nesta quinta-feira, dia 30, às 9h, Taubaté dá início a 1ª FLIT - Feira Literária Infantil de Taubaté. O evento se estende até 4 de julho, na Avenida da Alegria do Povo Taubateano. Taubaté foi oficializada em março deste ano, como a Campital Nacional da Literatura Infantil, pela presidenta Dilma Roussef.
Dentro da programação da 1ª FLIT, haverá muitas atrações para os públicos infanto-juvenil e adulto. Além da participação de editoras e livrarias, haverá espaços para bate-papos com autores, oficinas culturais e pedagógicas. Outros destaques, serão as oficinas de escritores infantis, onde serão realizadas atividades como saraus, palestras e leitura dramática, com o objetivo de incentivar as crianças a se tornarem escritores.
O evento está aberto à população das 9h às 20h, com entrada gratuita.

Vamos participar? Curtir os livros e a cidade!

Um Vale de Livros: Valdomiro Silveira

[creditofoto] Falando sobre os tesouros do Vale do Paraíba, não poderia deixar de citar Valdomiro Silveira. O escritor nasceu em 1873, na cidade de Cachoeira Paulista, SP. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais, Promotor Público, Advogado, Jornalista, Secretário da Educação,  foi contista regional, registrando os costumes e tradições do interior paulista em suas obras. Publicou 'Os Caboclos' (1920), 'Nas Serras e nas Furnas' (1931) e Mixuangos (1937). Valdomiro Silveira faleceu em junho de 1941, na cidade de Santos, SP.
Quem pode nos contar muito sobre a obra de Valdomiro Silveira é sua conterrânea Ruth Guimarães. Nossa folclorista, numa manhã, contou-me mais sobre a obra de Silveira que dias de pesquisa.
Em breve, falaremos mais sobre esse nosso tesouro. Aguardem.
Os livros do autor podem ser conseguidos na Internet.
Sempre procuro por obras fora do mercado no site: www.estantevirtual.com.br 


Boa Leitura
Paz e bem!
Sônia Gabriel

Escambo 40

Que tal um pouco de poesia?
Nosso novo Escambo foi doação de Paulo Barja.
Agradeço as doações de todos.
Quem leva?
Paz e bem!
Sônia Gabriel

Um Vale de Livros: Pedro Paulo Filho

 Recebi, de Pedro Paulo Filho (Mestre de todos nós), o livro 'Contos Bem Contados' e estou amando a leitura. O escritor é mais um dos tesouros deste Vale do Paraíba. Sua obra é vasta e competente. Visite o site: www.pedropaulofilho.com.br e conheça sua biografia. Lá, você encontrará todos os livros do autor.


"Filho de Pedro Paulo e  Izabel Cury Paulo. Nasceu em Pindamonhangaba em 04 de setembro de 1937, radicando-se em Campos do Jordão desde as primeiras semanas de vida. É casado com a professora e advogada Guiomar Aparecida de Castro Rangel Paulo e tem um filho, Pedro Paulo Netto, administrador de empresas e advogado. Read More

Fez seus estudos primários em Campos do Jordão no Grupo Escolar “Rio Branco”. Concluiu o curso ginasial no Colégio Estadual e Escola Normal de Campos do Jordão, e o curso colegial no Colégio Ipiranga, em São Paulo. Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito da Universidade Mackenzie, em 1961. No Colégio Estadual e Escola Normal de Campos do Jordão foi orador do Grêmio Estudantil Jordanense."

"Há mais de 30 anos é escritor, tendo lançado sua primeira publicação em 1.977, intitulada “A Revolução da Palavra, Uma Visão do Homo Loquens”, pela Editora Previdenciária Ltda; em 1986 lançou o livro “História de Campos do Jordão”, pela Editora Santuário; em 1987, pela mesma editora, editou “Campos do Jordão, Meu Amor”, livro de poemas; em 1.987 foi reeditado “A Revolução da Palavra”, pela Editora Siciliano; em 1.989, publicou  “Histórias e Lendas do Povo de Campos do Jordão”; pela Editora O Recado, e, em 1.989 escreveu o livro “Grandes Advogados, Grandes Julgamentos”, editado pelo Departamento Editorial da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional de São Paulo, reeditado em 1.992, e em 2003, lançado em 3ª edição pela Millennium Editora na Livraria Mega Store da Saraiva, no Shopping Eldorado, em São Paulo, em 6 de novembro de 2.003.
 Também publicou os livros “O Bacharelismo Brasileiro”, Bookseller, Campinas, 1997, a “Montanha Magnífica - Memória Sentimental de Campos do Jordão”, O Recado, São Paulo, 1997 em 2 volumes e “Contos  Bem Contados”, Vertente, 1999.
Em 1997, publicou o livro “As Ações na Locação Imobiliária Urbana”, pela LED - Editora de Direito Ltda, em 2 volumes, reeditado em 1999 já em 3ª edição e “Campos do Jordão, O Presente Passado a Limpo”, pela Editora Vertente. No ano 2.000, publicou pela LED - Editora de Direito Ltda o livro “Absolvição Sumária nos Crimes Dolosos Contra a Vida”. Em 2001, publicou os livros “Os Contratos no Direito Brasileiro”, em 4 volumes, pela LED - Editora de Direito Ltda. Em 2003, com Guiomar Apparecida de Castro Rangel Paulo, publicou o “Novo Direito de Família”, em 2 volumes, pela Bookseler.
Em 2004, a Editora Nova América publicou seu livro “Campos do Jordão, Onde Sempre é Estação”, na Coleção Conto, Canto e Encanto com minhas Histórias” e em 2007 foi publicado “Famosos Rábulas no Direito Brasileiro”, pela J. H. Mizuno.
Com Guiomar Apparecida de Castro Rangel Paulo, publicou em 2006 “Concubinato, União Estável, Alimentos e Investigação de Paternidade”, agora em 2ª edição, e em 2008, o livro “Divórcio e Separação”, em 3ª edição, ambos pela J. H. Mizuno Editora.
Recentemente lançou o livro “História da Estrada de Ferro Campos do Jordão, Uma Escalada para a Vida” em 2008 e em 2009 a Editora Ilelis publicou o livro “Cerejeiras em Campos do Jordão” (
http://www.jornaldacidadepinda.com.br/noticia.php?id=7511&cat=1&sub=15).



O título do livro já diz tudo.
Obrigada, amei o presente. A gentileza é mesmo sua nobre característica.
Paz e bem!
Sônia Gabriel

sábado, 25 de junho de 2011

Festa de São João - Caçapava

O sereno caindo, caindo...

A noite fechada, cheiros e sabores juninos. Bom para curtir a família, os amigos, a si.

O anfitrião estava lindo, caloroso.

A sala de visitas bucólica, aconchegante, familiar.

Um cantinho para exercitar a devoção.

Darcy Breves sempre animada e apaixonada pelas tradições de Caçapava.

O sereno aumentou, teve problema não. Tinha bolinho, quentão, canjica...
Bom feriado para todos que distribuem a paz e  o bem.
Sônia Gabriel


Instante em Caçapava, Corpus Christi - 2011.

  video

Tradicional Procissão de Corpus Christi, Caçapava - SP, 2011.
Instante de profunda humanidade.

Corpus Christi em Caçapava, 2011.

Este ano, minha família e eu, fomos participar da Procissão de Corpus Christi em Caçapava. A procissão saiu da Igreja de São Benedito, parou na Praça da Matriz de São João, para benção solene, seguiu pela Ladeira São José, e, foi em direção ao Santuário de Santo Antônio para Missa Campal.

As ruas estavam preciosamente enfeitadas. Por isso, é a Procissão de Corpus Christi mais tradicional do Vale. Forte expressão religiosa e cultural de nossa gente.

Os fiéis muito emocionados.

É uma sensação especial estar entre tantas pessoas.

A energia concentrada na oração, nos pedidos, na gratidão.

Sempre me emociona pensar no penitente, no caminhante, existe poesia nessa expressão humana.

A igreja estava mais linda ainda.

As pessoas eram o adorno mais especial. 

Depois de vencer a Ladeira, fogos, cantos, orações e luzes no Santuário de Santo Antônio.

Os tapetes, após suavizar e embelezar o caminho por onde seguiu o Corpus Christi, transformou-se no encanto das crianças. E que venham as crianças, não foi assim que Ele desejou?

Admire a poesia.

Eu agradeci por TUDO e por TODOS.

O sereno chegou, São João nos chamou...

Parabéns Caçapava, foi muito bonito.
Paz e bem!
Sônia Gabriel

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Dia de São João...

Hoje, 24 de junho, dia de São João. Aqui, lendo e curtindo a vida e obra de JB e está escrito, por ele, que foi batizado nesta data tão festiva. Por isso, nosso cronista atende pelo belo nome João Baptista.


Boas festas para todos...

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Desvendando Cruzeiro

Seguindo com as imagens de nossa viagem do projeto escolar 'Desvendando o Vale do Paraíba', finalizamos o dia de aventura e pesquisa em Cruzeiro. A cidade tão citada no livro 'Majupira' de JB de Mello e Souza.

Tempo para descansar as pernas. Aproveito para agradecer a força, a responsabilidade e o companheirismo das professoras Flávia Lima, Márcia Bonetti, Gisele Rocha, do professor Rogério e da artista plástica Sonya Mello.

Pura poesia no jardim do Museu Major Novaes.

Nossa visita ao Museu foi muito propícia. Além de nos aprofundarmos nas dificuldades para restauração do Patrimônio valeparaibano, foi possível aos alunos compreenderem, um pouco mais, as dificuldades cotidianas de manutenção, preservação e valorização de nossa História.
As fotos que seguem são uma pequena mostra dos tesouros do Museu.





Viajando pela História...








Estivemos na Rotunda, os alunos adoraram. Nosso trabalho no segundo semestre sobre a Estrada de Ferro no Vale do Paraíba ganhou muito com esta visita.





Vamos continuar os trabalhos, quem quiser contribuir com informações e sugestões, agradecemos.
Nosso próximo passo será retratar as viagens em telas de Arte Naïf e organizar uma Biografia Valeparaibana.
Agradeço aos colegas, aos representantes das cidades visitadas e aos alunos (principalmente) pela disposição. Aos meus ex-alunos que nos acompanharam, muito obrigada. Fiquei muito feliz em ver que aprenderam a curtir nosso Vale do Paraíba.
Sempre terá um lugar para vocês.
Paz e bem!
Professora Sônia Gabriel